Fora da caridade não há salvação.


O Pensamento Vivo do Dr. Inácio

05/08/2012 03:51

 

O PENSAMENTO DO DR. INÁCIO

 

Trata-se de uma compilação de textos apresentados originalmente no blog “Mediunidade na Internet”.
Talvez por ter caído em si que poucos acreditavam quando declarou, em livros anteriores,
que cartas de encarnados eram colocadas sobre a sua mesa, no hospital em que dizia servir, no
Plano Espiritual em que se encontra, sem ao menos explicar esse fenômeno inusitado no
Espiritismo, esse Espírito agora resolveu comunicar-se pela internet. Entretanto, se o meio de
comunicação mudou, o mesmo não aconteceu relativamente à seriedade do trabalho.
Deixamos claro, de início, que ao grafarmos o nome Dr. Inácio não estamos concordando com sua
autenticidade, mas apenas evitando o incômodo de colocá-lo sempre entre aspas.
Transcreveremos em negrito as palavras do livro. Nossos comentários serão em tipo normal.
A turma que, em maioria, renasce por aqui e nas dimensões subjacentes é através do
sexo mesmo! A turma copula! Você falou em orgias e em número excessivo de gravidez,
como se os métodos contraceptivos existissem apenas entre os encarnados... Não!
Eu não sei em que livro está – é um dos que Ranieri escreveu –, mas, certa vez,
conversando à boca pequena com o médium e profeta Chico Xavier, disse que, daqui a
uns 200 anos, a Ciência irá construir um grande útero e, então, a mulher será liberada
da gravidez! Mas, segundo ele, o espírito reencarnaria direitinho... Não parece coisa de
ficção?! (20).
Pobre Chico, em cuja boca estão colocando as mais absurdas informações, inclusive apoio ao aborto
em caso de estupro e de anencefalia. O testemunho de Ranieri, aqui invocado, merece dúvida,
depois de ele ter deixado na Terra seus livros absurdos: “Sexo além da Morte” e “O Abismo”.
E para que eu não continue sentindo falta de ser eu mesmo nestas palavras, deem uma
banana para o resto! (23)
Seria necessário comentar a grosseria desse Espírito, que diz conviver com Eurípedes, Bezerra,
Chico (Kardec, segundo ele), na condição de diretor de um hospital fundado pelo Benfeitor?
Querem que eu escreva um Tratado de Obstetrícia de Além Túmulo! Eles acham que, por
conta da pergunta 200 e seguintes, de “O Livro dos Espíritos”, os desencarnados são
todos capões! Meu Deus, que maldição seria morrer! É claro que os espíritos não têm
sexo, ou melhor, têm todas as variações sexuais possíveis e imagináveis, mas o
perispírito tem genitália, sim! E se relacionam! Para ficar mais claro, copulam! (26)
Ninguém esperaria que o Dr. Inácio escrevesse um livro sobre Obstetrícia, pois essa não era a sua
especialidade na Terra. Mas, seria de se esperar que escrevesse algo sobre Psiquiatria, explicitando
as teses apresentadas em “Novos Rumos da Medicina”, em seus dois volumes, obra magistral que
deixou aqui na Terra. Teria ele desaprendido tudo o que ensinou e vivenciou aqui, passando a ser
um crítico do Movimento Espírita, dos espíritas e de médiuns, usando uma linguagem vulgar, chula,
rasteira mesmo? Esse Espírito se refere continuamente às obras de André Luiz, mas nelas não se
encontra nada que se possa comparar com esses quadros de desequilíbrio e mau gosto que ele
pinta a todo momento.
No livro “Nosso Lar”, há o relato do caso pessoal de Tobias, que fora casado duas vezes na Terra. O
assunto é ali tratado com a seriedade que se espera de uma obra espírita. Sabe-se que uma
daquelas que foram esposas de Tobias continuava nessa condição, mas André Luiz não entra em
pormenores da convivência do casal.
Essa promiscuidade alardeada pelo Dr. Inácio é mostrada no livro “E a Vida Continua” (cap. 14), no
convite que o desequilibrado Túlio faz a Eveline, convidando-a a deixar a colônia que habitava para
ir com ele à comunidade desequilibrada onde ele vive: “– O povo de onde venho agora, o povo da
terra da liberdade, tem toda a razão... Entendo, você agora faz parte dos santos, mas eu não sou
mascarado. Sou o que sou, um homem com as funções que me são próprias... Quero você e isso a
escandaliza? Boa piada!... Você é mulher como as outras, você não é melhor do que todas aquelas
que conheço na terra da liberdade, com apenas a diferença de que você se oculta na capa
andrajosa da disciplina.”
Não se exige muita perspicácia do leitor para entender que ali impera uma certa liberalidade sexual
entre os seus habitantes. Agora, pergunta-se: seria uma colônia desse nível o local onde Dr. Inácio
atua?
– O médium passista não pode fumar, não pode beber café em excesso, não pode comer
carne... – Eu sei que a lista de proibição era enorme, e eu estava impedido de transmitir
passes até na outra encarnação! (50)
Aqui, o Dr. Inácio ridiculariza as exigências naturais, a respeito da preparação do passista,
apresentando um caso emergencial relatado no livro “Libertação”, cap. XVII , querendo fazer regra
do que é exceção. Sua comparação só vale para quem não tem discernimento, nem raciocina.
Muitos dos espíritos que se comunicam com os médiuns na Terra (quase arriscaria dizer
que a maioria) não se encontram propriamente presentes no recinto físico ou ao lado do
medianeiro que lhes serve de instrumento. (58)
É citada a comunicação de Bittencourt Sampaio, contida no livro “Instruções Psicofônicas”, cap.
LXIV. Essa exemplificação não coincide com os fatos. O nobre Espírito, depois de se ter
comunicado, retirou-se. Verificaram com pesar, os encarnados, que falhara a gravação. Logo após,
diante dos lamentos da perda do excelente pronunciamento daquele Espírito, José Xavier
apresentou-se, prontificando-se a ditar ao Chico o texto, pois também ele e Meimei haviam feito a
gravação. O ditado foi feito e a mensagem foi publicada no livro citado. Por esse exemplo, vê-se
claramente o quanto esse Espírito que se faz passar pelo Dr. Inácio falseia a verdade.
Aquelas duas fornalhas que, distraidamente, costumava explorar com o indicador e o
polegar... Bem, deixemos tal assunto de lado. Voltemos ao “transcendente” episódio da
campainha (...). Será o Plano Espiritual tão espiritual quanto os homens imaginam que
seja? Se a casa de Lísias era mantida de porta fechada, ela poderia receber, digamos
policiáveis “amigos do alheio”? (95)
Novamente, esse Espírito que se propõe a estudar “Nosso Lar”, volta a lançar dúvidas sobre o clima
de equilíbrio e respeito que André Luiz afirma reinar naquela colônia. O leitor menos informado se
induzido a pensar que em “Nosso Lar” há ladrões. Porta fechada indica ordem, respeito a uma
intimidade doméstica. André Luiz não disse porta trancada, que é outra coisa...
– Domingas, precisamos acabar com essa falsidade... Eu nunca empreguei palavrões em
meus escritos! Esse pessoal precisa deixar de me encher a bolsa escrotal!...
–“Bolsa escrotal”, não é um termo chulo, Doutor?
– Convém perguntar a Deus, que a fez, você não acha? Que termo você sugeriria,
quando tivesse que se referir ao órgão genital, masculino ou feminino!?... (233)
Seria necessário algum comentário sobre esse diálogo, contido num livro que é publicado como se
fosse espírita? Um diálogo desses não se encontra nem nos piores programas de televisão...
Ataca, ridiculariza a FEB e divulga uma notícia originária de sua cabeça doente, quando diz que a
Federação está preparando uma lista de livros condenados, ou seja, produzindo um índex... Vê-se
que sua capacidade não fica só na linha do mau gosto, do humorismo barato, mas atinge as raias
da invenção mentirosa.
... Os espíritos vão novamente começar a se manifestar na Igreja, trazendo obviamente
suas versões do Mundo Espiritual! E eu quero é dar risadas. (290)
No trecho acima citado, que é um pronunciamento do médium, dizendo que vai rir do que os
espíritas dirão a respeito de revelações do Mundo Espiritual feitas por médiuns católicos. Mais uma
vez se revela a falácia desse Espírito, procurando misturar as coisas. Nenhum espírita o combateria
se ele fizesse as suas “revelações” da reencarnação no Mundo Espiritual, do uso que faz de
linguagem chula, de pronunciamentos falsos a respeito de materialização, de apoio ao aborto, de
ufanar-se de ter sido fumante inveterado, de falar de desregramento sexual na colônia em que vive,
se ele não usasse o nome de Kardec, da Doutrina Espírita e de Chico.
Analisamos apenas alguns trechos do livro. Seria cansativo o esforço de esquadrinhá-lo todo, como
fizemos em obras anteriores, mesmo porque ninguém, até hoje, nos apontou algum ponto em que
tenhamos sido injusto em nossa crítica.
Infelizmente, em nosso meio, ainda há muitos dirigentes de entidades espíritas que entregam essas
obras ao público sem terem, ao menos, passado os olhos sobre algumas páginas.
José Passini
passinijose@yahoo.com.br

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!